Archive for abril \13\UTC 2017

Sobre a Lista do Fachin: Querem te enganar novamente!

abril 13, 2017

como votei (e pedi voto) nos dois deputados (federal e estadual) que estão sendo citados pela tal “lista do Fachin” que começará a investigar os muitos nomes que apareceram lá, resolvi publicar aqui o ótimo artigo do historiador Eder Martins, que coloca os devidos pingos nos is sobre o envolvimento de Décio Lima e Ana Paula Lima, ambos do PT de Santa Catarina. abaixo, o artigo:

A quem serve a denúncia contra os deputados do PT, ou, Sobre como dissolver o conteúdo na forma.

Conteúdo e forma são duas dimensões da realidade intimamente associadas e mutuamente implicadas. A forma é uma maneira de expressar determinado conteúdo, sendo assim conteúdos diversos, se coerentes com suas formas, são, geralmente, expressos de maneiras diferentes. Se formas idênticas corresponderem a conteúdos diversos, o que por vezes acontece, corremos sempre o risco de uma confusão interpretativa que dificulta a percepção do verdadeiro conteúdo das coisas e dos fatos.

A, recentemente divulgada, lista do Fachin é um caso exemplar de como conteúdos diversos podem ser confundidos sob uma mesma forma. Cinco políticos de Blumenau são implicados e a todos é imputada a mancha generalizadora da corrupção. O que não se diz, se diz aos sussurros ou nas linhas pequenas, é que tratamos de casos consideravelmente diferentes.
Dalírio Beber e Napoleão Bernardes são acusados de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro e Décio e Ana Paula de falsidade ideológica eleitoral (NÃO DE CORRUPÇÃO).

Contra Napoleão e Dalírio pesam acusações de prejuízo aos cofres públicos como pagamento por favores recebidos da Odebrecht durante a campanha de 2012. Vejamos bem, a questão aqui não é o recebimento de recursos para a campanha eleitoral, que isoladamente não constituía crime, e sim o fato de que essa contribuição implicou, posteriormente, em ressarcimento pelos cofres públicos, o que caracteriza o ato de corrupção. O próprio favorecimento é uma prova da natureza criminosa da doação.

O caso de Ana Paula e Décio é bastante diverso, são acusados de supostamente receber uma contribuição não declarada que, sabidamente, não foi ressarcida à empresa por fundos públicos, posto que Ana Paula não se elegeu em 2012. Resumindo, não existe, contra os petistas, nem acusação nem indício de qualquer ato que tenha prejudicado os cofres públicos. Existem unicamente as declarações de duas pessoas sequestradas pelo bloco golpista, não temos mais o direito de ter ilusões com o judiciário, que para obter sua liberdade estão dizendo o que seus inquisidores desejam ouvir. Cabe, ao menos por honestidade intelectual, fazer aqui uma pergunta: de que forma as denúncias contra Décio e Ana e a confusão entre conteúdos a que estão sendo submetidos são úteis ao golpe e ao bloco golpista?

1-            A construção de uma estética enganadora.

A lista de Fachin atingiu de forma mortal o governo ilegítimo. Como não é mais possível proteger todos os golpistas, posto que chafurdam à luz do dia na corrupção mais ordinária, e sabendo que os golpistas do judiciário precisam dar a seus sócios na mídia algum elemento que permita vender a patética versão de uma justiça isenta, se tornou imperativo sacrificar alguns dos sócios mais corruptos do golpe. Caíram todas as figuras centrais do governo ilegítimo, tanto no executivo quanto no Congresso, e Temer só não foi junto por absoluta conivência do judiciário, esse é o conteúdo do fato! Já a forma dada pela imprensa é outra, sem se preocupar com questões qualitativas agarrou-se a um elemento quantitativo para transferir a crise para o PT, o número de investigados. Resumindo tudo a apresentação incansável de uma tabela em que o PT aparece como campeão de denúncias, com 18, em seguida o PMDB com 17 e o PSDB com 13, constrói a impressão de que o maior problema está localizado no PT. Dadas as atuais dinâmicas do bloco golpista, e da ascensão do que tem sido chamado de pós-verdade (essencialmente o triunfo das versões sobre os fatos concretos),não chega a ser absurdo desconfiar que essa maioria tenha sido propositalmente construída para servir como elemento estético de uma forma destinada a esconder completamente seu conteúdo e que alguns petistas (parece que o Décio e a Ana são dois casos) tenham sido sacrificados, ao arrepio das provas, para que o PT fizesse “maioria” na lista.

2 – Salvar a direita catarinense

Não caiu só o governo ilegítimo, caíram também alguns dos principais candidatos da direita catarinense para 2018. Colombo, Napoleão e Jean Kuhlmann, acusados de favorecer a Odebrecht com recursos públicos representam uma baixa de dimensões catastróficas para os planos da direita para a próxima eleição. Este fato, aliado ao de nenhum petista ter cometido ato de corrupção e a crescente resistência que os trabalhadores estão começando a apresentar ao golpe, desestabilizariam definitivamente a direita de Santa Catarina e comprometeriam a hegemonia política dos setores conservadores em um estado que eles consideram sua propriedade e laboratório. Colocar o Décio e a Ana na lista permite confundir o cenário, primeiro desacreditando duas das principais lideranças da oposição, e depois criando uma relativização do crime dos pupilos do golpe, visto que a prática é “generalizada”. Ao envolver os petistas, e engana-se quem acha que está a salvo, o que está sob ataque é o petismo, dos quais os golpistas elegeram alvos prioritários, o judiciário dá ao bloco conservador de Santa Catarina, que conta com o apoio canino da imprensa para difundir suas versões, uma sobrevida que se mantém através da artificialidade de aparelhos.

3 – Atacar a resistência ao golpe

Décio e Ana tem dado duro e incansável combate ao golpe de Estado em curso no Brasil. Comprometidos com a democracia e o estado de direito ambos não deram trégua ao golpe desde seu alvorecer. Denunciando o sequestro da democracia e lutando contra os desmontes dos direitos mais básicos da população se destacaram pela combatividade e pela intervenção qualificada. A denúncia permanente do bloco golpista, ressaltando a participação de parte do judiciário e da grande imprensa, a defesa dos trabalhadores e a liderança da oposição no Congresso Nacional atraíram inimigos poderosos.

Parece claro, para qualquer um que esteja disposto a enxergar, que se abate sobre eles o punho pesado do golpe de estado que exige silêncio diante de seus malfeitos e da violação sistemática da legalidade. Sem provas e sequer com uma acusação séria tentam lançar a opinião pública contra ambos para desarticular um dos focos de resistência democrática e erodir dois dos principais patrimônios da esquerda no estado.

Eder Martins – Historiador

Anúncios

Globo cria clima de crise na AL

abril 4, 2017

porém, somente na América Latina que ela não gosta

lenin-moreno-400x230

A Globo não gostou nada, nada, da eleição de Lenin Moreno no Equador, portanto, “é crise no Equador”

não é coincidência que a Globo comece, agora, a criar um clima de crise generalizada na América do Sul e deixe de fora exatamente os países onde o programa Neoliberal tenha voltado com força, e onde a crise está se formando agudamente, como na Argentina, por exemplo. então, por causa de uma eleição acirrada, o Equador, onde o candidato apoiado pelo atual presidente Rafael Correa, Lenin Moreno, ganhou com 51% dos votos, “o país entrou em crise”. engraçado que nos Estados Unidos basicamente foi a mesma diferença nas duas últimas eleições– sem contar que também houve pedido de recontagem de votos nos Estados Unidos, não sem esquecer de dizer que lá, custa 3,5 milhões de dólares prum candidato pedir recontagem–, porém, nunca se fala em crise ou, não se dá a mesma ênfase; sem esquecer que no voto popular, o candidato eleito PERDEU (porém, nos delegados, Trump ficou com 56% e Hillary com 42%)! na eleição passada, também vencida de forma acirrada pelo então presidente Obama, ele ficou com 51,01% dos votos (e 61% dos colégios eleitorais), e Mitt Romney 47,29% (e 38% dos colégios eleitorais), mas NENHUMA CRISE, segundo a grande mídia mundial, o qual é sempre reproduzida fidedignamente aqui pela nossa mídia.

agora, obviamente, como a Globo não curtia nenhum pouco o governo atual do Equador, aquele que deu guarida para o “terrorista” do Assange (que está há anos refugiado na embaixada equatoriana na Inglaterra, pois é perseguido político pelos Estados Unidos), o Equador entra no rol dos países feios e bobos e que estão em crise (e o Brasil???), obviamente, sem esquecer da Venezuela, que a Globo indica, segundo manda a OEA (leia aqui como a OEA é pressionada pelos Estados Unidos que quer continuar mandando e desmandando na AL), houve problemas constitucionais– só esqueceram de dizer que os problemas constitucionais na Venezuela estão acontecendo, sim, porém, dos DOIS LADOS! mas, quem que informação imparcial, né? se fosse assim, como a grande mídia iria continuar manipulando a informação que chega às massas.