Archive for the ‘artes’ Category

Coro Carpe Diem e IMCARTI comemoram seus 28 anos de existência neste domingo em Itajaí!

agosto 1, 2014

convite recital de alunos imcarti 2014Neste domingo, 3 de agosto, o IMCARTI – Instituto de Música, Canto e Arte de Itajaí convida toda a população da cidade e região para prestigiar o aniversário da instituição e do Coro Carpe Diem, a partir das 17h, na sede do Imcarti, na praça 1º de Maio, ed. Vila Real, com a AUDIÇÃO dos alunos do Imcarti, recital do Coro Carpe Diem e um recital da OCI – Orquestra de Câmara do Imcarti, todos os eventos, é claro, com entrada gratuita!

Anúncios

NOSSO MANIFESTO CARNAVALESCO – TRILHA SONORA

fevereiro 28, 2014

Grêmio Recreativo Interativo Quinteto Malacagem Virtual apresenta o estandarte do sanatório geral

renoirA roda está aberta. Se não está, chama a Sara Jane, e abre a rodinha, por favor! Mas cuide, ao abri-la, Colombina ou Pierrot, pois pode haver um/a Arlequim/na numa esquina qualquer, e, sabemos também, o homem (ser humano ou não), com um revólver na mão, é bicho feroz, já sem ele, rebola e muda de voz, ainda mais em tempos obscuros de fascismos pelas internetes e ruas tentando trazer pelourinhos de volta.
Porém, acreditemos sim, cheguemos ao terreiro, quem sabe à meia-noite, quando o galo cantar, que todo o mal deve ir embora com o vento e com os tambores das baterias, e os zigotos masculinos se encontrarão com os gametas femininos (não necessariamente nesta ordem) dos deuses do Carnaval a partir desta sexxlaws, e a festa tende a ser animada, com as bandas do Zé Pretinho pelos Brasis, pois o samba deixa a gente mole, quando se canta, todo mundo bole, é a maldição do samba, sambou uma vez, nunca mais se para, e bom sujeito se torna!
Então, só nos resta preparar o puçá, entrar na bateria e do Papagaio ao Farol, da Atalaia à Brava, do São João ao São Viça, onde sambaram nossos ancestrais, reverenciemos nossos Negos Dicos, que a ofegante epidemia chamada Carnaval vai passar a partir de hoje!

Muriendo de Plena – Rubén Rada

Acredito sim – Noriel Vilela

Spyro Gyro – Jorge Ben Jor

Ela me faz – Rael

Roda de Samba – Chocolate da Bahia

O Jornaleiro – Tony Tornado

Samba da minha terra – Novos Baianos

Lick Samba – Gilberto Gil

Com qualquer dois mil réis – Novos Baianos

Carnaval toda la Vida – Playing for Change Argentina

A Maldição do Samba – Marcelo D2

Cheguei meu povo – Maracatu Nação Estrela Brilhante

Samba de uma Nota só – Tom, Vinicius, Toquinho e Miucha

Pierrot – Los Hermanos

Segura a Nega – Bebeto

Só o Ôme – Noriel Vilela

A roda – Sarajane

Madagascar Olodum – Banda Reflexus

2 neguinhos – Celso Bahia

A banda do Zé Pretinho – Jorge Ben

Ive Brussel – Jorge Ben com Caetano Veloso

Kiss – Prince

Sexx Laws – Beck

Bicho Feroz – Bezerra da Silva

Sidney Magal – Meu sangue ferve por você

I Will Survive – Gloria Gaynor

Blitzkrieg Bop – Ramones

Jesus Cristo vai voltar – Wander Wildner

Nós vamos invadir sua praia – Ultraje a Rigor

Miss You – Rolling Stones

O Alien que veio pro espaço – Zumbi do Mato

Papa Siri – Carlos Coria

Por: André Pinheiro, Felipe Damo, Sebastião do Aragão (Seba), Rômulo Mafra e Moacir Kienast

Pintura: o Baile no Moulin de la Galette, de Renoir
http://pt.m.wikipedia.org/wiki/O_baile_no_moulin_de_la_galette

Para montar e brincar no carnaval:

1: Baixe o aplicativo VDownloader no seu computador.
2: Copie o link das músicas, um por um, e cole no programa, no espaço determinado.
3: escolha baixar música ou vídeo, conforme sua preferência.
4:organize as músicas ou vídeos em uma pasta.
5: grave com o aplicativo de sua preferência (recomendamos o Nero) no CD.
6: salve a imagem em seu computador e imprima a capa do CD. Aproveite!

Dois bons (e distintos) eventos neste sábado em Itajaí

maio 17, 2013

7o Itajaí em Cartazo primeiro, é o início do 7º Itajaí em Cartaz, que vai deste sábado até o dia 24 de maio, organizado pela Rede Itajaiense de Teatro e que pretende “evidenciar a produção teatral local com espetáculos, oficina, debates, mesas redondas e cortejo de abertura”.
inclusive estarão em Itajaí para o evento, pessoas ligadas ao Ministério da Cultura (MINC), Colegiado Nacional de Teatro além de outros convidados especialistas na área.
“Optamos por refletir sobre Produção Cultural nestas atividades, pois estamos em um momento de transição no Brasil que nos parece importante. E isso abrange diversos públicos atuantes na produção artística, e não apenas os teatreiros. Será um grande encontro entre artistas, público, gestores, convidados, com excelentes espetáculos e muitas conversas! Nosso principal objetivo é esse: cada vez mais dialogar com nossa cidade”, garante o coordenador geral do evento, o ator e diretor Daniel Olivetto.”

peixada cacalopara quem quiser mais informações, é só entrar aqui e ter acesso aos locais e peças e workshops durante o evento, que já virou parte do calendário cultural de Itajaí.

já o outro evento, é a 1ª Peixada do Cacalo, que irá acontecer na rua Emília Máxima dos Santos, 89, no restaurante Nosso Cantinho, ali na Murta, próximo à igreja católica da Murta. o evento do meu amigo Cacalo começa a partir das 20h e custa R$ 25.
diz ele que até eu, que não sou muito chegado num peixe (sim, sou um “peixero” que quase não come peixe) vou gostar dos peixes e temperos dele. 😉

Sarau neste sábado em Itajaí

abril 2, 2013

e começa às 11h, lá na Casa Aberta Livraria Alternativa, na Lauro Müller, ao lado de onde era a CEF.

sarau vitaminaVocê sabe o que é sarau?
o wikipédia diz pra gente: Um sarau (do latim seranus, através do galego serao) é um evento cultural ou musical realizado geralmente em casa particular onde as pessoas se encontram para se expressarem ou se manifestarem artisticamente. Um sarau pode envolver dança, poesia, leitura de livros, música acústica e também outras formas de arte como pintura e teatro.

Vai rolar leitura de poesias, crônicas, contos, bate papo com autores de livros. Um repertório musical incrível com samba, chorinho, música popular brasileira. E também curiosos instrumentos aborígenes.

Vamos conhecer o pessoal do Projeto Nosostros que está percorrendo toda a América Latina produzindo documentários que apresenta jovens artistas, profissionais criativos, para provar que aqui não tem só índio (sim, essa mistificação ainda existe do pessoal de fora).

Tragam sua arte, literária ou visual pra dividir com a gente!

Dicas de música clássica no Facebook

março 17, 2013

semana passada, eu e meu amigo Sebastião, criamos uma página no Facebook chamada “Dicas de Música Clássica”, onde, diariamente (ou não), vamos colocar ali, como diz o nome da página, dicas de música clássica, pra quem gosta e pra quem quer conhecer um pouco mais sobre este estilo musical que, basicamente, deu origem à música como a conhecemos hoje.

já publicamos ali Mozart (e um trecho da Flauta Mágica tão bom quanto a famosa ária da Rainha da Noite), Pe. José Maurício Nunes Garcia (um famoso/desconhecido brasileiro) , sobre Stabat Maters (na dica, o de Palestrina), Prokofiev (até agora ninguém descobriu a charadinha sobre ele) e o piano de Chopin.

bem, é isso aí. se tens perfil no Facebook e queres conhecer um pouco mais e ler nossas dicas (quase) diárias, clique aqui e curta nossa página. ah, e claro, mande suas dicas também. 😉

classica musica

2010 e Lugar Nenhum

fevereiro 19, 2013

nesta semana (ontem e hoje) terminei dois livros que estava lendo. “2010 – Uma Odisseia no Espaço II” (1982), do escritor inglês Arthur C. Clarke e “Lugar Nenhum” (1996), do escritor (também) inglês Neil “Sandman” Gaiman.
as duas obras, ficções, uma científica e outra fantástica, são ótimas! 2010… é a continuação do famoso filme 2001 – Uma Odisseia no Espaço, publicada em 1968 quase junto com o filme, sucesso estrondoso nos cinemas. ah sim, isso mesmo, o livro é praticamente uma continuação do FILME e não do livro, que foi escrito junto com o filme e que teve algumas diferenças entre as obras. uma das principais diferenças que vêm do livro, e não do filme, é a visão que o protagonista do primeiro livro/filme, David Bowman tem do enigmático monolito negro antes de desaparecer, o que não é mostrado no filme.
um outro fato interessante da continuação, além de ser uma baita história, diferente de muitas continuações (alguns críticos a consideram melhor que o livro que deu origem à famosa história), é que é citado, no final, uma carta de um brasileiro, do Rio de Janeiro, e que teria sido decisivo para Arthur Clarke escrever a continuação, o qual, segundo ele, não existia até então. 2010… também virou filme, mas, que não fez muito sucesso, em 1983.

neverwhere02já “Lugar Nenhum”, como diz uma crítica ao livro, é uma espécie de “Alice no País das Maravilhas” punk, e se passa na fictícia (nem tanto) Londres de Baixo, ou seja, no subterrâneo e nas linhas de metrô da capital inglesa. Gaiman faz um absurdo e divertido mapeamento e detalhamento deste mundo abaixo das ruas londrinas, povoando-a com seres que são ignorados quando vistos por alguém “de cima”, ou seja, são os excluídos do mundo, que decidiram descer e que foram apagados da história comum. mesmo quando querem, as pessoas deste mundo, quase não conseguem ser notadas, e, se o são, logo são esquecidas, como se nunca existissem.
resumindo a história, um homem comum, Richard, sem querer, consegue ver Lady Door, que está ferida, e a ajuda. com esse gesto, Richard acaba se tornando um da “Londres de Baixo”, ou seja, vira invisível e ninguém mais o vê depois disso. a partir daí, ele começa a percorrer com Door, Marquês de Carabas entre outros, a cidade de baixo para tentar encontrar os assassinos de sua família (que tinha o poder de abrir quaisquer portas, por isso, é claro, o nome dela).
“Lugar Nenhum” começou como uma história para TV (em seis capítulos), virou livro e, em 2005, foi quadrinizada (imagem acima), na linha Vertigo, da DC Comics, numa adaptação de Mike Carey.

todos os dois livros, recomendadíssimos!!!!!

“A Cidade e as Estrelas”

dezembro 22, 2012

estou totalmente vidrado no livro que comprei dias atrás, “A Cidade e as Estrelas“, de Arthur C. Clarke. o livro, impressionantemente, nos leva a conhecer uma sociedade humana daqui mais ou menos um bilhão de anos! e só nisso já residiria a maior parte da curiosidade de conhecer uma história dessas, ainda mais, escrita em 1956!
somente um gênio da literatura (e ciência), para conseguir pensar em tanta coisa, tão a frente do nosso tempo (e dos nossos netos, bisnetos, e mais um monte de gerações futuras eheheheh).
não dá pra ficar boquiaberto com tanta imaginação ao conhecer Diaspar, a provável última cidade da Terra, onde todos vivem milhares de anos (sim, elas morrem, mas é apenas uma espécie de descanso, quando voltam, talvez milhares de anos depois, quem decide é o Computador Central, elas vão aos poucos recobrando algumas memórias das vidas passadas — e não há crianças, todos nascem jovens, e envelhecem bem pouco durante suas vidas), isso sem contar também, por exemplo, a descrição que ele dá de um jogo de realidade virtual! e olha que nesta época, 1956, nem existia ainda quaisquer tipos de jogos eletrônicos.
***

Um diagrama de Diaspar

Um diagrama de Diaspar

agora, já lido mais uma parte (a de cima, escrevi alguns dias antes), volto a escrever mais um pouco sobre o livro, pois é incrível o potencial cinematográfico que este filme possui!! imagino que não tenha sido intencional, já que com os recursos para tanto naquela época eram raríssimos, mas, hoje em dia, facilmente se tornaria um belo filme, ainda mais se fosse focado a parte emocional do livro, sem deixar, é claro, de prestar atenção aos efeitos especiais (nem tantos assim) que necessitaria para se filmar o livro. que história! com algumas ótimas reviravoltas, cenários magníficos descritos de forma magistral, enfim, um livro que merece futuras edições brasileiras (a última, ao que parece, é da Devir) — e, um bom filme também seria legal, se possível ehehehe.
***
(esta parte contém algumas revalações do livro — spoilers) bem, passaram-se mais dois dias e terminei a obra. e que obra! como vi numa frase estes dias que pipocava na internet, têm livros que a gente tem de parar alguns dias, ou, pelo menos, não dá pra começar outra obra em seguida, pois leva-se algum tempo a digerir a recém-finalizada. e é como estou agora. por sorte, o livro que começo a ler é uma biografia (do escritor inglês Alan Moore), o que me dará este tempo necessário para digerir melhor ainda esta obra-prima da ficção (científica), que DEVE ser lida hoje em dia como se fosse atual, tamanha realização do escritor em antecipar esta sociedade de um bilhão de anos a nossa frente.
chegando ao final dela, também constatei que Clarke fez uma analogia interessante com o capitalismo e socialismo/comunismo, criando duas cidades onde se chegou a perfeição destes sistemas, tão em voga na época em que o livro foi escrito. Diaspar, com sua total despreocupação com tudo, sem precisar de trabalho, com tudo a mão a qualquer momento, sem a presença da morte e com vidas que levavam milhares de anos e que voltariam em breve, e Lys, um modelo humano mais próximo da nossa realidade, onde ainda se vive e se morre mais ou menos como aqui, porém, uma comunidade que vivia integrada à natureza abundante da região, com um conselho de moradores que tocavam a pacata vida dacidade, onde quase não se falava, pois os habitantes tinham desenvolvido o poder da telepatia e todos conheciam a todos assim.
não há conflito entre estas duas cidades quando elas inevitalmente se encontram, pelo contrário, logo chegam ao um acordo de que as duas juntas podem conseguir fazer a Terra voltar a ser um local habitável em sua totalidade (no livro, só existe Diaspar e Lys, o resto todo, é apenas deserto).

abaixo, um vídeo legal que achei de alguém que “criou” Diaspar em 3D baseado no livro de Arthur

Lançamento da revista cultural “O Estilingue” é amanhã!

dezembro 13, 2012

por e-mail:

O Coletivo de Escritores Periféricos de Itajaí, promove no dia 14 de dezembro às 19 horas, o lançamento da Revista Literária ‘’O Estilingue’’, na sua décima primeira edição, pela editora Alternativa de Itajaí. Nas palavras da diretora da revista, Rute Margarida Rita: Dando vazão as vozes dissonantes da sociedade, viemos expressar com todo o rigor e vigor, na eterna luta de se fazer presente e visíveis. Nessa edição referenciamos nossos locais de origem, nossa africanidade e brasilidade, nossa cidade, país, nossa infância e, sobretudo os nossos mais profundos descobrisses. Ainda na palavra da promotora cultural: Nessa edição em especial, para além dos escritores periféricos da cidade de Itajaí, damos voz e vez para nossos amigos do movimento indígena, na fala da jornalista e ativista baiana Ana Paula Kalantã, da etnia Indígena Pataxó. O mesmo na fala dos nossos amigos poetas, contistas e cronistas de Moçambique

Fone: (047)91264134-Samuel da Costa.
e-mail: contatorevistaoestilingue@gmail.com

Apoio: Tatoo Open Bar

O que: lançamento da Revista  Literária ‘’O Estilingue’’ edição nº11.

Onde: Biblioteca Pública Municipal e Escolar Norberto Cândido Silveira Jr, Rua: Heitor Liberato, nº 1100 – Bairro Vila Operária, Itajaí-SC. Fone(047) 3348.3322- 33.480038.

Data: sexta-feira dia 14 de dezembro às 19 horas.

Quanto custa: R$10 a revista.

Abertura de natal com o coro Carpe Diem hoje

dezembro 8, 2012

e será na Vila Operária, onde fica a sede do IMCARTI –  Instituto de Música, Canto e Arte de Itajaí, a partir das 17h15, um pouco antes da missa da igreja católica da Vila.
o evento (gratuito) acontecerá na sede do IMCARTI, ali na praça 1º de Maio.

foto abaixo, da apresentação de natal de 2006

carpe diem natal itajai

“Mundos Perdidos de 2001”

dezembro 3, 2012

estou lendo, com voracidade enorme, o livro “Mundos Perdidos de 2001“, do escritor Arthur C. Clarke, que fala sobre o livro “2001 — Uma Odisseia no Espaço” e o próprio filme, no qual Arthur foi peça importante, já que escreveu o livro praticamente durante as filmagens, a pedido do diretor Stanley Kubrick. no livro aparece, inclusive, um resumido diário das filmagens, pelo autor da obra; uma das partes mais interessantes é como foi feita a cena mais famosa, a do homem-macaco descobrindo a primeira arma e, na cena, a transição mais longa do cinema, onde numa tomada, pulamos milhões de anos. a cena foi feita numa “bobiça” do próprio Kubrick, quase sem querer.
2001-monolitoalém destas boas histórias sobre as filmagens (e o nascimento da história toda), Clarke também adicionou alguns contos que deram origem ao argumento do livro/filme. e, pasmem, todos, já existiam muito antes das filmagens, que terminaram no fim dos anos 1960. um dos mais interessantes, é o “O Observador da Lua”, que é o da cena da transição, mas que no conto original, é muito mais interessante. na verdade, a história é totalmente diferente, e mostra um pesquisador extraterrestre que chega à Terra durante o Plioceno (de 2 a 5 milhões de anos atrás) e começa a estudar um grupo de hominídeos  um deles, o Moonwatcher, ou Observador da Lua (pois quando o viu, ele, diferentemente de todos os outros, estava admirando a Lua). mas, claro, não vou ficar aqui contando a história toda. 🙂
ou seja, isso tudo só mostra o quão Arthur estava a frente de seu tempo, pra ficar num clichê, como ele estava se antecipando a assuntos que só seriam usuais décadas depois.

ah, um fato interessante: segundo Clarke, o filme não levou um Oscar porque o pessoal de Hollywood achou que os macacos (da famosa cena inicial) usados no filme fossem realmente macacos. e não eram.

ah de novo: o nome HAL, o computador do filme, não é, segundo o próprio Clarke diz no livro, uma referência à empresa IBM, como se sugeriu à época (e, até hoje, é espalhado pela internet). foi só uma grande coincidência e era apenas uma sigla de algo que agora não lembro mais. porém, o boato foi mais forte que este pouco conhecido livro de Clarke (o que tenho em mãos é uma edição brasileira de 1973).